12.5.16

Escolher um carrinho!

Vamos a mais uma dica já que quando foi para comprar o carrinho da Mini-Tété fartei-me de procurar informação e sei bem como é agradável haver este tipo de posts disponível. Assim, quando chega a altura de comprar o carrinho para o bebé, há que ter vários pontos em consideração:

1. Decidir primeiro se se aposta num duo (carrinho + ovo) ou num trio (carrinho + ovo + alcofa). Facilmente encontrarão testemunhos de quem acha a alcofa essencial e de quem a acha absolutamente dispensável. No nosso caso, optámos por um trio uma vez que o tempo de um bebé no ovo deve ser limitado pois, para a coluna, o melhor é ele estar deitado e nesse caso a alcofa daria mais jeito para os passeios a pé. Foi sem dúvida uma visão um pouco romântica já que no primeiro mês não houve cá passeios para ninguém e depois entrámos no Inverno e então muito menos. Ainda assim a alcofa deu muito jeito para visitas a casa de familiares já que servia de cama à Mini-Tété enquanto nós jantávamos (até ao momento em que passou a dormir ao colo de qualquer pessoa) e sobretudo serviu de cama para os primeiros tempos. Optámos por não comprar um berço e sim escolher uma alcofa que tivesse um colchão confortável. Assim, a Mini-Teté adormecia na sala de dia e dormia no quarto de noite, sendo simplesmente levada de divisão em divisão na alcofa montada no carrinho (deu um jeitaço).

2. Fujam daqueles carrinhos em que a cadeira (o assento) não sai e o ovo é montado em cima da cadeira. É ridículo, uma vez que nos primeiros tempos o recém-nascido nem sequer anda na cadeira e esta tem de ir sempre agarrada ao chassis do carrinho, o que torna todo o conjunto mais pesado. Aqui em França gostam imenso deste tipo de carro, já que puxando a capota do ovo juntamente com a capota do carrinho, o bebé fica completamente fechado (e isso a mim causa-me uma aflição imensa mas aqui gostam. E se puderem cobrir tudo com um plástico anti-chuva, melhor ainda. Não sei como é que os recém-nascidos não abafam).
(Nããããooo)

3. E por falar em peso, vejam muito, muito, muito, muito bem o peso do carrinho e do ovo. Foi dos pontos a que fiz questão de dar grande importância, já que vivemos num primeiro andar sem elevador e eu sabia que eu fim de não sei quantas subidas e descidas de escadas com o carrinho e o ovo estaríamos a mal dizer cada grama extra. Por isso, fiz questão de procurar as opções mais leves dentro daquilo que pretendíamos. O Jack, que não entendia esta minha fixação, teve de dar o braço a torcer e acabou por dizer já depois da Mini-Tété ter nascido "Ainda bem que insististe em comprar um carrinho leve". Os ovos parecem sempre leves nas lojas mas não se esqueçam que vão ter um bebé lá dentro que engordará a olhos vistos. O nosso ovo, se não engano, pesa 3 quilos e qualquer coisa e juntamente com os quase 8 quilos da Mini-Tété neste momento, admito que já me vejo grega para subir com ele escadas acima. E não pensem que por viverem num prédio com elevador não terão de se preocupar com isso pois facilmente darão convosco em situações em que têm de levar o ovo na mão ou levar o carrinho fechado.
Um truque: o carrinho fica na mala do carro (ou na arrecadação, ou num vão de escada, caso tenham) e assim quando vou passear com a Mini-Tété, apenas tenho de subir e descer com o ovo.

4. Tamanho: há carrinhos muito giros, muito robustos, muito todo-o-terreno mas que quando fecham...quase que precisam de uma carrinha para que haja espaço suficiente para serem transportados. Vejam bem as dimensões da mala do vosso carro e se for possível experimentem colocar lá o carrinho fechado (há lojas que permitem fazê-lo). E não basta que o carrinho caiba na mala, dá também jeito que não ocupe a mala toda porque há sempre a o saco do bebé, sacos das compras e mais coisas que precisamos de conseguir meter na mala. Eu fiz questão de escolher um carrinho compacto, que não me ocupasse a mala toda. Ah, e não vão naquela conversa de que o carrinho cabe perfeitamente porque se tiram as rodas. Conseguem imaginar-vos a tirar e a pôr as rodas no carrinho sempre que vão sair? 

5. As rodas do carrinho (a sério, Tété, rodas?). Para quem planeia fazer grande uso do carrinho, as rodas de plástico podem não ser as melhores amigas da calçada portuguesa visto que o carrinho (e o bebé) sentirá muito mais todos os movimentos, solavancos, altos e baixos. Há carrinhos com rodas insufláveis que amenizam este problema e dão um maior conforto ao bebé (mas pode ser necessário ir enchendo como se enchem as rodas das bicicletas). No nosso caso, o carrinho serve para passeios e não vivendo num país onde exista este tipo de calçada, as rodas de plástico servem sem problemas.

6. O cesto incluído no carrinho deve ser de fácil acesso e espaçoso para se poder colocar o saco do bebé, uma manta ou algumas compras que não dêem jeito serem levadas na mão.

7. A pega do carrinho: escolham, se possível, carrinhos com uma pega única em vez de duas, pois no caso de ser apenas uma é possível conduzir o carrinho com apenas uma mão (o que acreditem que dá muito jeito. Quando vou às compras com a Mini-Tété empurro o carrinho com uma mão e na outra carrego o saco onde vou colocando o que quero comprar).



Para nós, comprámos então o carrinho Loola, o ovo Cabriofix (semelhante ao Pebble, mas mais leve e eu não gostava do redutor deste ovo) e a alcofa Compact.






1 comentário:

  1. Um dia quando for mãe vou ter isto em conta :) é muito útil!

    ResponderEliminar

Digam-me coisas. :)