27.12.13

Tété no seu melhor

Ontem o carteiro passou cá por casa a horas impróprias (ok, era meio-dia mas nós ainda estávamos a dormir) e não tendo obtido resposta ao toque da campainha, deixou uns papelinhos a dizer que tínhamos de passar pelos correios para levantar encomendas. Fiquei felicíssima. A minha mãe tinha-me enviado castanhas há mais de uma semana e não havia maneira de as ditas chegarem, E finalmente lá estavam elas à minha espera nos correios. Acordei hoje, a sentir já o cheirinho das castanhas no forno, imaginava-me já a comê-las com um pouco de manteiga (sou a única a fazer isto?), até já lhes sentia o sabor. Fui feliz e saltitante até aos correios, com o Jack atrás, e recebemos as nossas encomendas. Peguei no meu envelope almofadado e abracei-o satisfeita por as minhas castanhas terem chegado. Comentava com o Jack que ao almoço teríamos castanhas, que chegaria a casa e ligaria logo o forno, que ia haver festa. O Jack, que já tinha pegado no pacote, diz-me que o acha demasiado leve para serem castanhas. Inflamei! Então não querem lá ver o mafarrico a falar mal das minhas castanhas?! Tudo bem que o pacote era leve mas isso era apenas porque a minha mãe não podia propriamente mandar 5 quilos de castanhas! Humpf, eu ia chegar a casa, meter as castanhas no forno e ele não teria direito a nem uma! Abro o envelope, furiosa, determinada a mostrar-lhe mesmo ali as minhas castanhas, e deparo-me com papel de embrulho. Huuuum, castanhas em papel de embrulho? Bem, porque não? A minha mãe poderia ter achado piada tornar as castanhas numa espécie de presente. Apalpei e sentindo umas bolinhas, levantei o queixo e mantive a minha opinião: Eram castanhas, sim senhor! O Sr. Jack continuava a insistir que o pacote era demasiado leve. Apalpei de novo e achei as bolas muito macias. Oh, caraças! Então não querem lá ver que não são castanhas? Curiosa apresso o passo para chegar a casa e poder abrir o papel de embrulho, quando reparo finalmente no remetente: não era a minha mãe. Estava explicado: não eram mesmo castanhas. Era uma prenda de uma amiga, linda, linda, linda, que vale mais que mil castanhas (e olhem que eu adoro castanhas, caso ainda não tenham reparado). Estou tão babadíssima com a minha prenda que até aqui deixo uma foto. Entretanto, eu agradecia ao senhor dos Correios que se deve estar a lambuzar com as minhas castanhas que me compre uns dois quilos delas e mas envie. É que isto de roubar as castanhas dos outros é crime.


Duas letras, cada uma a inicial do nosso nome. Adoro, adoro, adoro.
Por pouco não foram parar ao forno....:)

3 comentários:

Digam-me coisas. :)