6.8.18

O Desfralde (novamente)

Em Junho tínhamos tentado o desfralde. Dava jeito, era antes das férias, fazer em Agosto parecia-nos muito em cima da entrada na escola, enfim, todo um sem número de vantagens visto que queríamos que a Mini-Tété largasse as fraldas antes da entrada na escola. Mas não correu bem, a Mini-Tété recusava-se terminantemente a fazer fosse-o-que-fosse no bacio ou na sanita, se a deixássemos sem fralda era acidente no chão pela certa, e começámos a ver que ela se continha para não fazer até lhe ser colocada uma fralda. Pior, começou a ter receio de fazer nas fraldas e no dia em que começou a chorar na sanita, a contorcer-se de tão aflita que estava mas sem querer fazer, percebemos que estava a acontecer aquilo que não queríamos: stress para ela. Parámos o processo nesse mesmo dia e esquecemos o assunto até Agosto, um mês e meio depois.

Durante as férias fui pensando qual a melhor abordagem: tentar fazer novamente o "treino de bacio"? Tirar as fraldas de vez pura e simplesmente, mesmo sabendo que ela não fazia nada onde devia? O uso das cuecas-fraldas, dica simpática que me foi dada no facebook, foi um bocado "flop". Ela percebeu rapidamente que podia fazer nelas sem se sentir suja, tal como nas fraldas, e por isso tinha continuado sem fazer nada na sanita/bacio. Quanto muito terão ajudado no processo de a fazer sentir uma "menina mais crescida" pois aprendeu que só os bebés usam fraldas e que as meninas grandes usam "cuecas fonhinhas" (cueca-fralda), cortando assim o uso das fraldas durante o dia. Ainda assim, aqui entre nós, acho que estas cuecas-fraldas podem dar muito jeito a muitas mães, sobretudo àquelas cujos filhos preferem trocar a fralda de pé, mas eu não fiquei nada fã. Não achei tão prático como as fraldas, absorvem menos, com menos líquido ficam rapidamente com aquele "ar pingão e pesado" que eu não gosto nada de ver...Enfim, não deixarão saudades.

Regressámos das férias e dois dias depois, nova tentativa de desfralde com dois pontos importantes na cabeça: a) acabavam-se as fraldas e pronto, pois não há tempo para outro método, b) tinha de haver alguma evolução logo na primeira semana senão considerava-se que não era mesmo o momento e ficava para Setembro, com o desfralde a ser feito juntamente com a escola.

E surpresa das surpresas, tem estado tudo a correr naturalmente bem. Tirámos as fraldas e ela passou a passar por nós em direcção à casa-de-banho a dizer "A Mini-Tété vai fazer xixi/cócó" e faz sem problemas nenhuns. Fora alguns acidentes, até parece que faz isto desde que nasceu, vá-se lá entender. Estamos a usar o método de "muita festa, muitas palminhas e um autocolante numa folha na parede" por cada "depósito" no bacio e parece estar a resultar bem. O calor infernal está ajudar porque ela anda como veio ao mundo. Esta semana estamos um bocado enclausuradas em casa, mas para a semana quero ver se começo a fazer pequenas saídas com ela sem fraldas, se a treino a descer e subir a roupa e se lhe tiro a fralda da sesta.

Estou verdadeiramente abismada com esta mudança, um mês e meio depois de tudo ter estado a correr tão mal. É realmente verdade que nestas idades, um ou dois meses fazem muita diferença e que este pouco tempo é muitas vezes o suficiente para se fazer um "click" qualquer [um dia conto como passámos de banho-sessão-de-tortura para banho-vamos-yupi). 

Nota: todas aquelas listas que li de "os sinais que que dão quando estão prontos para o desfralde" não me serviram para nada. A Mini-Tété cumpre apenas um deles e tudo o resto não faz. Ou seja, se um dia tiver um segundo filho, vou andar às aranhas novamente.


Sem comentários:

Publicar um comentário

Digam-me coisas. :)