1.12.17

Mini-Tété e a osteopatia

Nunca aqui contei mas a Mini-Tété aos dois meses foi reencaminhada para um osteopata por ter um lado da cabeça ligeiramente achatado. Nos dias de hoje aconselha-se a colocar os bebés a dormir de barriga para cima, medida que reduziu cerca de 60% os casos de morte súbita, comparativamente a quando eram colocados a dormir de lado. No tempo das nossas mães e avós, os bebés eram assim deitados e alternava-se o lado de forma a que a cabecinha ficasse redonda. Nesta nova posição (de barriga para cima), há que ter o cuidado de ir colocando a cabeça do bebé virada para um lado numa sesta e virada para o outro noutra sesta. Eu, igual a tantas outras mães e com receio de ter de colocar um capacete na Mini-Tété para curar eventuais assimetrias de causa posicional, lá ia estando atenta à posição da cabeça da Mini-Tété e passava-lhe a mão para ver se sentia algo diferente. Aos 2 meses, numa das consultas de rotina, a médica detectou então um ligeiro achatamento e reencaminhou-nos para o osteopata.

Fez 3 sessões que foram uma tortura completa, pois a Mini-Tété ou chorava de sono ou chorava de fome. O osteopata dizia-me para marcar a consulta para uma altura do dia em que eu achasse que ela estaria mais disponível mas era absolutamente impossível quando falávamos de uma bebé que basicamente dormia e comia o dia todo. Estaria sempre com fome ou com sono. O berreiro era tal que na segunda consulta, já ele me dizia que nunca tinha visto um bebé chorar daquela maneira, que nenhum alguma vez lhe tinha reagido assim, e quando saímos para a sala de espera, os olhares curiosos eram mais que muitos. Provavelmente, achariam que estavamos a estripar algum bebé. Verdade seja dita, já voltei a estar naquela sala de espera mais uma série de vezes (a nossa médica de família é no mesmo local) e nunca ouvi bebé nenhum chorar durante as consultas com o osteopata. Mini-Tété bateu realmente todos os recordes.

A mim também me custou. Não apenas pelo preço de cada consulta, não apenas porque a minha filha chorava como se a estivessem a matar mas também porque sou um bocadinho céptica quanto a estas vertentes da medicina e porque me fazia uma confusão danada ter um adulto com as mãos pousadas na cabeça pequenina e delicada da minha bebé de 2 meses, a fazer pressão de forma a orientar devidamente os ossos. Explicou-me ele (e eu já tinha lido porque o meu cepticismo me obrigou a uma pesquisa prévia) que os ossos da cabeça de um recém-nascido se deslocam durante o parto para passar na bacia da mãe e que nem sempre ficam perfeitamente orientados depois do nascimento (podendo até originar desconforto para o bebé). Este seria então o problema da Mini-Tété, que teria então um dos ossos ligeiramente desalinhado, nada de grave, pelo que bastariam poucas sessões. Ainda tentou perceber se o achatamento não seria provocado por a colocar a dormir sempre com a cabeça para aquele lado (ou seja, alguma causa posicional), mas expliquei-lhe que na verdade a Mini-Tété tinha até preferência em dormir com a cabeça virada na direcção contrária, facto que ele mesmo pôde comprovar quando a deitei após uma consulta e ela adormeceu exausta depois de quase uma hora a chorar.

Numa das consultas, massajou-lhe também a barriga e concluiu que sentia ali alguma tensão, que seria provavelmente a causa de ser uma bebé que chorava tanto. E foi aqui que torci o nariz porque para além de me parecer normal que houvesse tensão na barriga de um bebé a chorar desalmadamente, a Mini-Tété não era nem nunca foi uma bebé de muito choro. Acho que foi este episódio que fez com que o meu ligeiro cepticismo quanto à osteopatia não tivesse desaparecido completamente, embora reconheça que as sessões da Mini-Tété foram essenciais à correcção do seu pequeno problema. Por isso, não hesitem se acharem que há algum achatamento ou assimetria, ou se o vosso médico vos aconselhar a recorrer a um osteopata, pois quanto mais cedo melhor uma vez que a cabeça está mais maleável e é mais fácil corrigir os problemas.

Sem comentários:

Publicar um comentário

Digam-me coisas. :)